20.7.10

Onde não existe


Não quero estar aqui, longe de mim, de toda a essência que me preenche. Sinto-me a desaparecer como as pequenas gotas de chuva que primeiro caem dos céus e que logo são esquecidas. Algo em mim não me pertence mas insiste em permanecer na minha mente. Eu luto!, mas é mais forte que eu, mais forte que a minha vontade, poderoso. Só gostava que compreendesses que não estou completa, que o que vês não sou eu. Ajuda-me a encontrar-me, mas não me fales mais no assunto. Deixa-me dormir, pensar, olhar e sofrer. Deixa que a raiva que tenho em mim se solte! Deixa-me sozinha, não quero mais ouvir a tua voz, não estás a ajudar. Empurrares-me contra a parede e obrigares-me a dizer as coisas que não quero não vai acalmar a minha dor, só me vai confundir mais.
Só peço para que me abraces e que chores comigo.




(não consigo parar de ouvir, a letra pode não ter totalmente todos os meus sentimentos, é mais um vício e pela melodia)

1 comentário:

M. disse...

eu comecei o meu numa fase "má" da minha vida. o problema é que desde então já tive fases piores. mas também já tive fases melhores. desde o início que o meu blog foi um "escape" para mim e cheguei mesmo a pensar acabar com ele, mas depois pensei que consigo renascer com mais força se tiver um sítio onde posso relembrar as minhas quedas .
boa sorte como o blog :D