17.3.11

Mais um dia assim... Não aguento a ausência e as paredes de casa parece que se fechem mais a cada hora que passa. Estou cansada de aqui estar, nem a música, nem os livros, nem mesmo deitada na cama a dor desaparece e torna tudo mais tranquilo, era mesmo só isso que desejava. Olho para a janela e tudo me parece tão sombrio do lado de fora, não vendo que mais sombria está a minha mente e o meu próprio quarto com todas as memórias e pensamentos presas nas paredes sem qualquer ponta por onde eu possa puxar e rasgá-las de uma vez. A minha mente pede-me para não colapsar, mas o meu corpo teima eu não lhe responder e com a ausência dele tudo o que queira ou não fazer é coberto pela escuridão da impotência.
Queria deixar-me levar pelo vento que corre do outro lado da janela, sem rumo ou sentido, queria senti-lo, queria sentir que ainda estou aqui, que ainda consigo viver. Mas é impossível sair de uma prisão que eu própria me acorrentei sem como nem porquê, sem resposta e sem certeza. Sei que quero fugir, mas não sei onde; quero viver longe de tudo isto, mas todos os lugares me parecem demasiado perto; quero fazer tudo aquilo que sempre sonhei, viver a vida que sempre quis, viver longe destas correntes, longe de um mundo paralelo a um sonho que não me quer soltar.

Não quero saber! Vou enfrentar tudo aquilo que me fizeram ter medo, vou viver tudo como se amanhã não existisse mais, não vou olhar mais para trás, não quero saber. Só assim posso ser eu, só assim posso viver comigo e para mim, porque só assim posso ser realmente quem eu quero.
O sol está a chamar-me lá fora, e eu vou a correr ter com ele!

3 comentários:

Carla disse...

Eu não estou triste por isto estar a acontecer e isso é que me dá a segurança de que é o mais correcto.Não viro as costas, a pessoa voltar, eu vou estar aqui na mesma, simplesmente não vou fazer por isso. :)

Danii disse...

Somos duas :b

Mafalda disse...

Adorei querida, cheio de força*