7.3.11

Por vezes encurralas-me em partes de mim que sempre desconheci e que nunca desejei conhecer, mesmo sendo tu que mas mostras, por serem tão fracas e pobres de sentimento. Sinto-me morta dentro delas e tu parece que nem um dedo consegues esticar na minha direcção para auxiliar o meu desespero, mas provavelmente é tudo da minha cabeça, provavelmente é apenas o meu pensamento a inventar interagindo com os meus sentimentos, mas juro que por vezes parece tão real. Parece que existe uma guerra incontrolável dentro de ti, só não quero que seja contra mim, sei que cometi muitos erros, mas tu nunca sairás impune desta história. Por mais voltas que nós possamos dar tu sabes tão bem quanto eu que o nosso amor não deixa que as coisas morram entre nós, por vezes é bom, mas por outras é uma maldição! Não te quero perder, não consigo, não sei, nem quero viver sem a pessoa em que jamais o meu coração nutrirá um sentimento tão grande e poderoso por outra. Estamos presos um ao outro de tal forma que mesmo que nos afastemos é impossível não nos voltarmos a aproximar, tu sabe-lo tão bem quanto eu.
Mas nem sempre as palavras são bem-vindas ou devidamente estudadas antes de serem ouvidas e acabam por nos magoar, entende que pessoas de ferro não existem e que nem tudo o que parece é realmente a realidade. A solidão nem sempre foi uma aberração mas sim uma necessidade, e nem sempre percebem onde e quando o é. Nessas alturas abre os olhos. Nessa altura sente a solidão no meu corpo e afasta-te que apenas o tempo curará a falta de algo que nem sempre possa ter existido. Enfrenta os meus medos e torna-te parte de mim, nunca foi tarde demais.
A noite está escura e eu sinto-me bem nela, não penso em como o silêncio me perturba porque essa nunca foi uma realidade, apenas me preenche com toda a vida que está nele e que sempre passa despercebida aos olhos dos demais. Não me estou a queixar, não, muito pelo contrário, é assim que me sinto bem, longe de tudo, longe de todos, até de mim, onde o silêncio da vida é mais forte. Sinto-me bem assim.

11 comentários:

Mafalda disse...

Adorei, adorei e adorei mesmo!

joana disse...

o problema é quando a resposta já vem tarde.

Carla disse...

Espero mesmo que assim seja, meu anjo. :)

Eu juro que ainda não sei como não rebolo.xD

luisinha disse...

está-se tão bem aqui, no teu blogue.

Marta Sofia disse...

está mesmo bonito. escreves mesmo bem!

ana cristina disse...

olha, eu estava um bocado apreensiva por ver, pois nao sou muitos de filmes de thriller.. mas como ouvi boas criticas dele resolvi ir ver.. adorei. a Natalie faz um trabalho excepcional e aconselho ver :)

ana cristina disse...

então és capaz de gostar mesmo! aborda todos os aspectos desse lado do Ballet e depois tem a historia do filme.. vê :) convida uns amigos ou assim!

Marta Sofia disse...

sendo assim, obrigada também :)

joana disse...

eu não gosto nada de nostalgia, talvez seja por isso :)

Carla disse...

eu também gosto muito de estar sozinha, sinto essa necessidade todos os dias. :)
Eu adoro comer, juro.ahah

Mafalda disse...

Querida selinho para ti no meu blog*