30.11.12

Hoje escrevo para ti. Para ti que já não escrevo à tanto tempo e quem me fez tanto mal, mas hoje escrevo e digo-te aquilo que não te sei dizer. Sempre fizeste parte da minha vida, nos momentos tristes e felizes, sempre me soubeste ouvir e aconselhar quando não tinha onde me apoiar e eu sempre te retribuí com tudo o que tinha e que te podia dar. Mas nem sempre foste correcto comigo, nem sempre respeitaste as minhas coisas e humilhaste-me como se fosse um boneco que pudesses brincar quando quisesses e atirar para o canto quando não precisasses ou já não "tivesse graça". Nunca me senti tão humilhada na minha vida, nunca senti que algo tão forte estivesse em cima de mim, não porque não tivesse forças para te repulsar mas sim porque abri demasiadas portas e tu entraste por elas como se fosse tudo teu, como se a tua ausência e presença com falhas não fosse notada.
Deixei-te voar, vi-te voar a meu lado e também nas minhas costas e não te cortei as asas porque sempre quis ver até onde conseguias ir, nunca as cortei porque gostava de ter ver voar, não tinha medo de ti, mas tu gostavas demais de voar longe do alcance do meu olhar e não te vi aproximar da última vez. Um perdão li eu nas tuas palavras, mas achas que é o suficiente? Dizes que mudaste mas sempre que me dizias isso vinhas pior do que tinhas ido, como posso eu saber se estás a ser sincero? Não posso, mas gostava de poder. Acredito que estejas diferente, mas não o suficiente para me dizeres se estavas arrependido. Arrependido? Bolas, às vezes até me surpreendo a mim mesma, será que alguma vez te sentiste mesmo arrependido?
Querias falar comigo, insististe como nunca, mas eu não te respondi. Não consegui. Mas ao mesmo tempo queria ter conseguido e falar contigo porque sabia o porquê das tuas palavras. Custou-me, mas custou-me mais as tuas palavras passadas e a forma como me trataste; só queria um pedido de desculpas, sincero e honesto. Mas mesmo depois disso continuo a preocupar-me contigo e a querer saber de ti e a ajudar-te mesmo que não vejas. Vou estar aqui mesmo que não me vejas e que não me sintas totalmente, mas só falarei contigo quando me mostrares que estás diferente e quando tiveres noção do que me fizeste e do que me tornaste.
Não sou melhor que tu, não te digo que sou perfeita e que tenha feito sempre tudo pela melhor forma porque não o fiz, mas aprendi com os meus erros ao longo do tempo, sei que não os volto a cometer.
Provavelmente nunca lerás isto, dei-te o link deste blog umas duas ou três vezes mas não está facilmente disponível, mas saberás logo que este texto é para ti. Continuo a não fechar portas para ti, embora já não tenhas muitas abertas. Preciso que sejas honesto comigo, sincero, vamos lá ver se o consegues fazer ou se vais continuar nesse registo. Sabes onde me encontrar.
M(R)

7 comentários:

Marley James disse...

Escreves mesmo bem, amei (: Sigo *

Ana disse...

na sexta-feira à noite estive a falar com o meu namorado e ele disse-me que precisava de um espaço só para ele para tentar perceber o que se passava com ele próprio, pois havia momentos em que não sentia muito a minha faltta e andava muito inconstante. ele próprio disse que se estava a cagar para tudo e havia momentos em que simplesmente não queria estar numa relação, nem conseguia ter o tempo necessário para me dar o carinho e a atenção que mereço.
a verdade é que ele ainda não se organizou nem orientou desde que entrou para a faculdade, quase não tem tempo para estudar e conciliar tudo e chega tarde a casa, e isso descontrola-o por completo!
eu quis logo acabar, já é o 2º tempo (o 1º foi no final das férias de verão), mas acabamos por dar um tempo à séria, ou seja, fazer tudo como se já não namorassemos (não falarmos, etc..). ele disse que precisava de ter um grande choque para perceber de vez o que realmente sente sem quaisquer dúvidas. dei-lhe o prazo máximo até sábado para acabar com este tempo.
o que me causa confusão é que a semana foi perfeita, tudo esteve bem, e ele próprio diz que me ama, até na sexta-feira mo disse, e as suas atitudes de facto revelam-no!
isto mata-me completamente, destrói-me, deixa-me sem saber o que pensar. acho que, neste tempo, vou-me mentalizar do pior e começar a esquecê-lo, pois nada sei o que vai acontecer sábado e não quero ter nenhuma desilusão.
ele disse-me que nunca me queria perder como amiga e jamais me iria queres esquecer. para mim, após um relacionamento, acaba o amor, acaba a amizade e jurei-lhe que se isso acontecesse deixaria de contar comigo, até porque nunca conseguiria ser a amiga dele, nem vê-lo como tal.
o que achas de tudo isto? :\

Bubuleta disse...

ola meu anjo ainda te lembras de mim? :$ já a muito que andava a procura do teu blog mas perdi-lhe o rasto e hoje encpntrei-te atraves de uma amiga em comum que temos aqui neste mundo blogosferico :D como o mundo é pequeno :D espero que estejas bem. saudade de falar contigo :D beijoquinhas grandes. Andreia

Catarina disse...

Para Bubuleta:

Oh linda, lembro sim! Que saudades!!! :D Oh, é verdade, já passou imenso tempo, não tenho vindo muito aqui, mas queria ver se conseguir vir mais e o actualizava porque está assim meio abandonado :b
Ainda tens blog? Eu tentei aceder mas não aparece nenhuma ligação para nenhum blog.
Beijinhos grandes :D

Marley disse...

Não consigo por a caixa de seguidores no meu blog, da erro nao percebo porque :s podes-me seguir no teu painel na lista de leituras onde diz "adicionar" :)

anirataC disse...

gostei imenso :) sigo-te *
Beijinhos, Catarina
http://petitsmorceauxdemoi.blogspot.co.at/

raquel disse...

Estava à procura das palavras certas para escrever para uma pessoa que também já me fez muito mal, e, no teu texto, encontrei inspiração. Identifiquei-me mesmo!
Beijinho*